Le Mépris (1963)

Logo no início, cita-se Bazin: «O cinema substitui o nosso mundo por um mundo que corresponde aos nossos desejos». Corta para Bardot nua e Piccoli dizendo-lhe que a ama por completo. Nela JLG tem a estrela que Anna Karina não era. Mostrar BB é fazer o espectador participar de uma reflexão sobre a sua relação com o corpo feminino na tela e, por outro lado, com a própria Bardot enquanto fenómeno. Que arte esta, que faz de alguém fenómeno apenas mostrando-lhe a existência. Como diria Žižek, isto é o Cinema ensinando-nos o desejo, mas também é só um aspecto de um pensamento maior sobre uma sua contradição essencial: a de tentar revelar a verdade necessariamente através (ou no seio) da ilusão. A impossibilidade da comunicação entre personagens reflete, precisamente, essa frustração essencial. Lang, o cineasta dos espaços abertos, interpreta-se a si mesmo num filme cujo Cinemascope só serve para revelar a solidão intrínseca das pessoas que os percorrem. E eu revi-o puxando a cor e o contraste ao máximo, como me lembro de tê-lo visto há 20 anos no TAGV, em Coimbra..

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui...