Memória do Zé Mário

Só vi um concerto dele. Foi em Coimbra, no TAGV. Era só ele e a viola, e foi incrível. Não sei se foi dos tempos no teatro, mas o Zé Mário não precisava de muita coisa para tocar os pontos com que se faz um espetáculo, como dizia o Tom Zé no Tropicalista Lenta Luta sobre ter aprendido a criar o espaço cénico observando os repentistas nas feiras.

A meio de uma música, o Zé Mário parou de tocar. Os trabalhadores de uma fábrica tinham sido demitidos em massa uns dias antes e ele pediu desculpas, disse que não conseguia tocar essa canção lembrando-se disso. "Não foi para isso que fizemos o 25 de Abril, pá".

Acho que foi um dos maiores portugueses que tivemos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui...