Quatro notas sobre Coringa (Joker, 2019)


(contém spoilers)

É bem possível que Joaquin Phoenix seja a terceira pessoa a ganhar um Oscar por interpretar o Coringa e o primeiro a ganhá-lo enquanto Ator Principal. Ele conseguiu evitar a tentação para o cabotinismo que o papel implica e, ao mostrar a transformação de Arthur Fleck no criminoso psicopata, revelou nele uma espécie de beleza sórdida que fascina. Confesso que esperava que o filme fosse apenas um suporte para Phoenix, mas é muito mais. Sinceramente, achei-o um filmaço. Aqui estão as quatro notas que achei mais interessantes.

A reconstituição histórica
Joker começa com um antigo logo da Warner — o desenhado por Saul Bass, que foi usado pelo estúdio de 1972 a 1984.


Já então entramos num esforço de reconstituição histórica tão ou mais incrível pelo fato de estarmos num universo que só é real na medida em que é construído como referência do real. Ou seja, Gotham não existe de verdade — mas existe um pouco, porque Gotham é Nova Iorque. Um lugar imaginário foi construído a partir do imaginário que retivemos de uma época. Inteligentíssimo.

A Nova Hollywood
Joker está carregado de referências cinematográficas. Até conseguimos situar o filme em 1981 graças ao cartaz de um cinema, que exibe o filme Zorro, The Gay Blade (o último filme que a família Wayne viu antes do assassinato dos pais). Nos quadrinhos, a associação da história de origem do Batman com o outro vingador mascarado e vestido de preto já vem de Frank Miller, portanto, não é surpreendente que ele apareça.

O diretor Todd Phillips poderia ter deixado a coisa por aí, mas acrescenta um outro filme à sessão dupla: Blow Out, a versão americana de Blow-Up dirigida por Brian De Palma. Este é um pormenor que revela uma espécie de homenagem aos cineastas dos anos 70 e, principalmente, aos filmes da Nova Hollywood. A vontade de Arthur de fazer carreira como comediante de stand-up e de aparecer na versão Gotham do Tonight Show da NBC — e a forma como o programa descarrila tendo-o como convidado — remete-nos imediatamente para a explosão de Howard Beale em Network, de Sidney Lumet, e, claro, para o Rupert Pupkin de O Rei da Comédia, de Scorsese.


Pupkin leva-nos àquele que considero ser o centro nevrálgico do filme: Robert De Niro. Em O Rei da Comédia, ele era o comediante que aprisionava o apresentador. Em Joker, ele é o apresentador que é morto pelo comediante. Em Taxi Driver — Scorsese, de novo — ele era o  excluído sem poder que atacava os poderosos. Em Joker, ele próprio é o poderoso atacado pelo destituído que oprimiu.

Olhando do ponto de vista do filme, De Niro é o elo e homenagem às obras que lhe servem de fonte. Olhando do ponto de vista de De Niro, Joker fecha o seu círculo. O Coringa é um Travis Bickle sem redenção.


A mídia
Joker é muito astuto ao incluir uma crítica ao poder predatório dos jornais e da televisão e, por extensão, à comunicação do choque e do "clickbait". É através da mídia de massas que o Coringa se torna uma entidade respeitável; ela é que o constrói e revela enquanto o libertador pelo Caos, o Anticristo que liderará os apagados no caminho para a luz negra do crime e da loucura.

O plano da tela de um switcher após a morte de De Niro ao vivo diz-nos que, imediatamente após acontecer, também ele se tornou mídia e mais um pedaço de lenha na fogueira perpétua do ciclo noticioso. O assassinato é condenável? Que importa, se, sendo contado, ele pode ser repetido para sempre?

O Coringa
Tal como Gotham, o Coringa não existe. Ele não teve existência real como, por exemplo, um Marighella, cuja biografia dirigida por Wagner Moura continua tristemente por estrear no Brasil. Então, porque ele perturba tantos espectadores de tantos cantões de pensamento?


Eu diria que tem algo a ver com o reconhecimento de ele representar a puríssima destilação de uma psicopatia esquizofrênica que está presente em todos nós. Ser o Coringa implica perder a noção da divisão entre real e ilusão e entre Bem e Mal. Se tudo pode ser igualmente verdadeiro ou ilusório e se os valores morais não nos apoquentam, porque não poderíamos ser extremamente gentis logo após esmagarmos a cabeça de alguém contra uma parede?

É isso que nos assusta e inquieta: após vermos o que foi necessário para Arthur virar Coringa, pensamos no que será necessário para nos perdermos de nós mesmos num mundo que não parece gostar muito da gente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui...