Une femme est une femme (1961)

"Não sei se isto é uma comédia ou uma tragédia, mas, em todo o caso, é uma obra-prima". Godard engraçadinho.

How I Met Your Mother (2005)

Revi uns episódios da 1ª temporada ontem. Sempre defendi. Ainda é claro que, sob a capa de uma sitcom bobinha, é um grande artesanato sobre a arte de contar histórias. Porém, uma coisa sobressaiu: como a personagem do Ted é INSUPORTAVELMENTE chata.

Cheers, "The Boys In The Bar" (s01e06, 1983)

Durante a quarentena, terminamos Friends e, pelo meio, comecei a rever Cheers. Friends faz-me rir, mas Cheers é sitcom para gente grande. Pensem que este episódio sobre um ex-jogador de basebol que se assume gay passou na TV aberta americana em pleno início do pânico da AIDS. É um triunfo de coragem. Cheers tinha personagens de carne e osso em episódios que, considerando tudo, são peças de teatros de 2 atos. Toda a gente ali é meio falhada, meio melancólica, meio triste. Que série incrível.

À bout de souffle (1960)

Li uma vez que o primeiro do Godard tinha envelhecido mal. Discordo. É um filme com energia, luminoso, tão inconsequente quanto relevante. Ou seja, jovem para sempre..

Alphaville (1965)

Na distopia de Godard, quem se comportar de maneira ilógica é executado. 1/3 dos eleitores brasileiros já não se safava.

8½ (1963)

Fala-se muito de superação do neorrealismo, do bloqueio criativo de Fellini, etc, etc. Fala-se pouco de ser belíssimo. Eu diria mesmo "ó filme bonito do cacete, meu deus".

9 pensamentos sobre o especial de Natal Porta dos Fundos



(contém spoilers)

1. Pessoas como a minha avó, que dizia «graças a Deus, muitas, graças com Deus, nenhumas», têm o direito de não gostarem do especial de Natal Porta dos Fundos sem serem classificados como opositores da liberdade de expressão. Porém, cabe perguntar o porquê da ofensa. O especial "perturba a fé" das pessoas? Não consigo entender como uma doutrina construída ao longo de 2 mil anos e seguida por bilhões de pessoas pode ser "perturbada" por um especial de comédia de 44 minutos.

2. Fui educado católico: fiz a primeira comunhão, o crisma, anos de catequese e reconheço muito de bom naquilo que aprendi. Acho muito mais insultuoso, tanto para qualquer católico quanto para qualquer cidadão, que haja um crucifixo pendurado na parede do Supremo Tribunal Federal.

3. Por que há cocktails molotov atirados à Porta dos Fundos, mas não à porta do Vaticano quando se revelam os abusos sexuais por padres católicos? Ou à porta das igrejas evangélicas quando se revelam os abusos sexuais por pastores?

4. No especial, a dado momento, descobre-se que o namoradinho que Jesus terá supostamente arranjado é, na verdade, o Diabo. É uma perspectiva interessante, humorística, sobre os 40 dias que Jesus passou no deserto e as tentações que sofreu. Por que isto é ofensivo?

5. É ofensivo por sugerir que Jesus pode ser gay. No passado, já se disse que ele teve relações, casou, teve família (“A Última Tentação de Cristo”, “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, “O Código Da Vinci”), mas dizer que Cristo é gay é dizer que ele pode ser sujeito de um desejo sexual que não implica a reprodução. Isso vai além de ele dizer que pode ser mulher ou negro; sugerir a homossexualidade de Cristo é como uma última fronteira de provocação.

6. Por isso é que a Porta dos Fundos acertou: ela expôs a hipocrisia no discurso público bem-intencionado. A partir do momento em que se admite ofensivo que Cristo possa ser homossexual, estamos a implicar que homossexuais não podem participar plenamente da dimensão do divino. E é exatamente pela mesma razão que em 2018 foi censurada a peça de teatro O Evangelho Segundo Jesus Cristo, Rainha do Céu, em que Renata Carvalho, uma atriz transexual, interpretava a figura de Jesus.

7. Porém, este texto se desviou do propósito até agora, porque o ataque à Porta dos Fundos só incidentalmente foi motivado por religião e provavelmente não teria acontecido se Duvivier e Porchat não fossem vozes ativas contra o governo Bolsonaro e representativas do pensamento progressista.

8. Um grupo terrorista de extrema-direita, herdeiro do fascismo integralista, fez este ataque para se lançar. Ele foi um crime, mas também um golpe publicitário. Ter sido cometido na véspera de Natal tem simbolismo, e também terá o motivo bem mais prosaico de ser um dia em que os criminosos sabiam que não estaria muita gente na produtora. Lembra um certo plano que um certo presidente teve uma vez de explodir os banheiros das vilas militares, sem machucar ninguém, só para mandar uma mensagem para o ministro que queria reajustar por baixo os soldos dos militares.

9. A conclusão é que o Brasil tem hoje um grupo terrorista de extrema-direita, católico e monarquista. Boa sorte em 2020.

Memória do Zé Mário

Só vi um concerto dele. Foi em Coimbra, no TAGV. Era só ele e a viola, e foi incrível. Não sei se foi dos tempos no teatro, mas o Zé Mário não precisava de muita coisa para tocar os pontos com que se faz um espetáculo, como dizia o Tom Zé no Tropicalista Lenta Luta sobre ter aprendido a criar o espaço cénico observando os repentistas nas feiras.

A meio de uma música, o Zé Mário parou de tocar. Os trabalhadores de uma fábrica tinham sido demitidos em massa uns dias antes e ele pediu desculpas, disse que não conseguia tocar essa canção lembrando-se disso. "Não foi para isso que fizemos o 25 de Abril, pá".

Acho que foi um dos maiores portugueses que tivemos.

Isto que sou

Estava com saudade de escrever e dizer poesia.



Multiple Maniacs (1970)


(tem spoilers, mas não sei se importa muito)
Multiple Maniacs, segundo longa de John Waters, começa com pessoas de classe média sendo atraídas para um "freak show", onde elas se horrorizam vendo emetófilos comendo o próprio vômito e homens se beijando apaixonadamente, até que Divine aparece, as prende numa rede e as rouba. Após ser estuprada por um casal de cheiradores de cola, Divine é levada até uma igreja pelo Menino Jesus de Praga. Lá, ela transa com uma mulher conhecida como A Puta Religiosa, que enfia um rosário no cu dela e a faz gozar enquanto Divine relembra as estações do Calvário de Cristo todas até à Crucificação. No final, Divine sai numa fúria assassina pelas ruas, mas antes ainda mata e estripa o seu namorado e esfaqueia até à morte a amante deste e também A Puta Religiosa, só para ser em seguida estuprada por uma lagosta gigante chamada Lobstora. Depois disso tudo, eu só consigo pensar: eu quero uma Divine no Brasil de 2019!