Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasil. Mostrar todas as postagens

Retratação

Fui injusto para Haddad. Aparentemente, ele ter tomado posse no 1 de Janeiro e, mais ou menos pelo mesmo dia, os sem abrigo à frente da minha casa terem desaparecido foi mesmo uma coincidência. Foi uma falha minha não ter percebido logo que os "seguranças" de cacetete que agora ficam sentados ao longo de algumas quadras do Minhocão foram contratados pelos comerciantes da área, mais o condomínio do meu próprio prédio, que, pelos vistos, estavam muito incomodados por haver pessoas a procurar o abrigo do viaduto gigante que atravessa a cidade. Foi uma falha minha não ter assumido logo que o espaço público está a ser guardado por seguranças privados, que usam a coação física para selecionar quem pode usar a rua e de que forma. E falhei também por pensar que alguém poderia achar isto mau. Pelo fato, as minhas desculpas.

Voltar a São Paulo: as novidades

Haddad tomou posse, substituindo Kassab na prefeitura de São Paulo. Segundo as notícias, ele vai ter de subir os transportes 30 centavos, porque o Kassab não fez a atualização que deveria ter feito o ano passado. O fato de ter havido eleições no ano passado não é pura coincidência.

Cheguei ontem e reparei que não há mais sem-abrigo a dormir por baixo do Minhocão. Mas, aqui e ali, há uns tipos sentados em cadeiras de praia. Perguntei ao porteiro do meu prédio se ele sabia o que tinha acontecido. Os sem-abrigo foram postos a andar ontem ou anteontem. Provavelmente, meteram-nos num ônibus e levaram-nos para Interlagos. Já não seria a primeira vez. A diferença é os tipos nas cadeiras, que agora estão lá para fiscalizar que mais ninguém se venha abrigar por baixo do viaduto. O fato de o candidato que ganhou as eleições ter tomado posse no 1 de Janeiro também não é pura coincidência.

2013?

Que uso se pode dar a esta complicação chamada tempo?

O calendário juliano foi implementado em 46 e vigorou durante 1536 anos.

Enquanto ele organizava as datas do Império Romano e da Cristandade, os árabes entraram na Península Ibérica (711). Até à inclusão do Algarve (1249), Portugal, em todo ou em parte, foi árabe.

Foram 538 anos.

Claro que, na época, Portugal seguiu o calendário islâmico e, segundo este, a ocupação terá durado uns 554 anos. Mas, para facilitar, digamos 538 anos.

O que são 538 anos?

Há 538 anos, Portugal ainda não tinha chegado à Índia, ao Brasil, ao Cabo da Boa Esperança. Nem a linha do Equador tínhamos passado ainda. Os tupis do Brasil ainda não tinham conhecido capitanias, bandeirantes, o Deus católico, europeus ou pão de queijo.

O calendário juliano foi substituído pelo gregoriano em 1582.

Isto foi há 431 anos.

O que significa que o calendário que todo o mundo hoje segue está em vigor há menos tempo do que o tempo que Portugal foi árabe.

Segundo o calendário juliano, hoje estaríamos ainda no dia 19 de Dezembro de 2012.

Ou seja, festejar o ano novo não é celebrar bem uma "coisa" ou um "fato".

Festejar o ano novo é celebrar um fait-divers que decorre do sistema que o papa Gregório III e académicos como Christopher Clavius ou Luigi Giglio impuseram em 1582.

O ano novo só é celebrado em todo o mundo porque a colonização europeia levou o calendário gregoriano a todo o mundo. Como a ocupação árabe, por seu lado, trouxera o calendário islâmico para a Península Ibérica.

Hoje, os tupis estão quase extintos e o Brasil tem europeus e pão de queijo. Portugal, por seu lado, já não tem nem um átomo do ouro que ganhou durante os Descobrimentos.

Mas, pelo menos, todos sabemos quando chegamos atrasados.

Este texto teve o apoio do Calendar Converter.

O Pequeno Livro Sagrado do Menor Slam do Mundo



Uma das variações mais divertidas que eu já experimentei do slam foi posta em prática em São Paulo pelo grande Daniel Minchoni. Chama-se Menor Slam do Mundo, é mensal e os poemas estão limitados, não aos 3 minutos normais, mas a 10 segundos...

Há uns dias, na final anual - vencida pelo não menos grande Victor Rodrigues - foi lançado O Pequeno Livro Sagrado do Menor Slam do Mundo. O formato dele está mesmo a calhar para um flipbook, daqueles que se folheiam as páginas e fazem um filminho. Quando eu disse isso, o Minchoni falou algo sobre pornografia. Portanto, a edição do ano que vem promete. A deste ano, seja como for, já está online! É só clicar na imagem aí em cima para ler alguns poemas dos melhores (e menores) poetas do futuro. E, já agora, três meus também.

O tempo e o homem

O programa do Jô passa. Um ator fala sobre ter trabalhado numa ilha grega porque faltavam homens para a agricultura e ele acabou contratado. Ele não é o que fez aquela série em Portugal com a Tônia Carrero? Já não me lembro, não o reconheço mais. Não interessa. São Paulo está cheia de luzes de Natal, o que me faz sentir ainda mais calor e me deixa sempre meio tonto. As árvores aguento. Até os gorros aguento, porque eles ficam no topo da cabeça para a foto, tiram-se depois e pronto. Mas as luzes e as figuras de Pai Natal e as renas, isso faz-me sempre suar mais. Semana passada a temperatura andou pelos 40º aqui e no Rio - lá sempre mais quente, mas lá há praia e blablablá. O ator no Jô tem o cabelo comprido. Ele não parece ter calor, mas também já ouvi dizer que há quem goste de baixar muito a temperatura nos estúdios. Talvez o do Jô seja assim. O da Xuxa, acho, é muito frio, um gelo mesmo, talvez para não atrapalhar as danças e tudo o mais com manchas de suor.

Pergunto-me se faço bem em escrever isto, se a temperatura em estúdios deve ser tabu para roteiristas. Disseram-me que Angola agora em Portugal é um assunto tabu. Agora poderia falar de bullies, mas não gosto dessa palavra e prefiro falar em brutos. Há dias em São Paulo um rapaz começou a ser chateado por duas bestas num carro enquanto subia uma rua da Vila Madalena a pé. As bestas chamaram-lhe viado, o rapaz respondeu e, por aquilo que entendi, mandou-os à merda, o que, na minha opinião, é muito justo. Os gajos saíram do carro e deram-lhe uma carga de porrada. Partiram-lhe a cara, ficou com os olhos pisados e a testa aberta. Primeiro fiquei a pensar no que leva duas bestas a querer sair de um carro para malhar num homem por gostar de outros homens. E depois pensei que o que o rapaz fez é o que todos deviam fazer aos brutos desta vida: mandá-los à merda e levar a porrada que for preciso.

Lembro-me do meu avô. Disse-me para não me meter em pancadaria, mas, se algum dia me viessem bater, que eu desse também. O rapaz homossexual foi bem mais homem do que as bestas que lhe deram porrada. E assim eu penso: o que deve ser um homem? Eu acho que, se as mulheres se discutiram e se decidiram no século XX, agora é o momento de o homem se discutir e se decidir também. O que é um homem, penso. E só uma resposta me parece possível: um homem tem que ser um guardião sério daquilo que acha justo. Isso não significa ser conservador. Significa pensar sozinho o que acha que o mundo deve ser, saber aplicar o peso e a medida certos para o conseguir e assumir as consequências das suas ações. Isso vai desde mudar uma lâmpada em casa até andar à porrada porque não quer ser pisoteado, ou desde trabalhar nas colheitas de uma ilha grega com escassez de braços até ajudar os filhos a educarem-se.

Um homem tem que fazer o mundo continuar a funcionar para ajudar o mundo a ir para a frente. Por alguma razão os gentlemen aprendiam boxe.

Quem é o Leãozinho?




A discussão foi algo como: "O Leãozinho do Caetano Veloso era o filho dele". Eu: "Acho que era um músico". "Não, era o filho", "Tenho certeza que era um músico", "Bem, o filho dele é músico", "Não era o filho!", "Era sim!", e por aí fora. Isto já foi há uns dias, eu sou mais chato do que eu próprio posso aguentar, por isso...

Do livro do próprio Caetano, "Verdade Tropical":
"O leãozinho" é uma canção de ternura por um rapaz bonito do signo de Leão que toca contrabaixo em bandas de rock'n'roll desde menino - e que era menino quando os Beatles estavam no auge.

E do livro "Sobre as letras":
Para quem achava que a canção foi feita para uma mulher, Caetano conta que foi para o contrabaixista Dadi, amigo que ele adora. "Ele é lindo e, nessa época ele era novinho, era lindíssimo. Ele é de Leão, assim como eu".

Portanto: o Leãozinho é um músico!

Todos os Cus

1972. Tom Zé faz o disco Todos os Olhos. A capa, numa afronta direta contra a censura da ditadura, destaca uma fotografia do que seria um cu com um berlinde enfiado lá dentro, simulando um olho, uma ideia que fora dada a Tom Zé pelo concretista Décio Pignatari.


Hoje. O bafafá é que Chico Andrade, então sócio do Décio Pignatari, postou no seu blog a seguinte foto como prova de que a capa era mesmo de um cu, e não de uma boca aludindo a um cu.


Mas agora olhem bem as duas imagens. Não há uma diferença óbvia entre as anatomias fotografadas? Afinal, qualquer pessoa com o mínimo de experiência do mundo sabe que boca e cu são bem diferentes. E isso não significa que a foto que Chico Andrade postou não seja original. Na verdade, só é um elemento a mais suportando a história já contada no site Substantivo Plural pela jornalista Phydia de Athayde:
No quartinho mal-arrumado do motel, Vera, empolgada, deita-se de costas na lateral da cama. No chão, as bolinhas de gude. Reinaldo posiciona os abajures na diagonal, de modo que a luz incida diretamente sobre o alvo. A lente é uma de 50 mm colocada no avesso para fazer a função de macro, e fica a apenas 20 centímetros do corpo da garota, já quase de cabeça para baixo.
Começam os problemas técnicos. A bolinha não pára. Cai, rola costas abaixo. Tentam-se novas posições. E mais outras. Nada da bolinha estacionar. (...)
A bizarra cena transformou-se em mal-estar. Quando beirava o insuportável, uma das bolinhas parou quieta. Reinaldo descarregou cliques. Consumiu todos os filmes. Testou velocidades, posições da luz, enfim. Fez-se de tudo, menos sexo. Deixaram para trás um quarto cheio de bolinhas pelo chão, sem coragem de se olhar nos olhos.
No dia seguinte, Reinaldo leva o resultado para a apreciação na agência:
- Foi uma atitude poética. Como foto, algumas ficaram ótimas. Mas, mesmo nas melhores, era evidente do que se tratava.
Décio e Marcão, o diretor de arte da agência, ficam desolados. Décio, então, pede nova tentativa ao assistente. E lá vai Reinaldo falar de novo com Vera sobre Tropicalismo… Desta vez, nada de motel. Vão à casa de uma amiga. E, antes que repetissem a luta contra a obviedade fisiológica, uma nova idéia.
Vera tem a boca grossa. Lábios cheios de carne bem rósea. Vale tentar. Ela topa. Prefere. Senta-se no chão com a cabeça jogada na cama e faz biquinho. Uma bolinha é colocada e dali não sai. Os lábios contraídos formam frisos que em muito se parecem com o que devem parecer. Uma única série de cliques basta para, finalmente, realizar a idéia de Pignatari.

"Desafio da Beleza" - hoje, 20h, no GNT


Estreia hoje, daqui a uma hora, o meu primeiro crédito na televisão brasileira. É o reality show de maquiagem Desafio da Beleza. Não vou responder aqui ao que me tem perguntado várias vezes: "o que é que roteirista de reality faz?!". Pretendo escrever um artigo para a próxima revista da APAD falando sobre isso mesmo. Também não vou explicar aqui como é que se esfuma um côncavo (e, não, não vou escrever sobre isso para a revista da APAD - terão de ver o programa para descobrir). O que posso dizer é que, juntamente com os meus colegas Edson Fukuda e Fabio Farias, e com toda a equipa de produção da Moonshot, criamos um formato que, como a Folha de São Paulo diz num artigo de hoje, "brinca com o próprio estigma de reality shows". E isso resume bem o que se verá a partir de hoje. Cada episódio foi pensado com uma pequena surpresa, seja do formato narrativo ou do conteúdo, e o mais entusiasmante foi como todas as pessoas da equipa de produção "piraram" um pouquinho, sempre o necessário para fazer, mais do que um reality, um belíssimo programa de televisão. Estou muito contente com o resultado e espero que vocês também gostem.

Rio de Janeiro, agora

Quando a constituição de um país democrático reconhece ser "livre a manifestação do pensamento", ele inclui nesse direito não ter que receber ameaças de morte por parte de polícias à paisana, certo? Ao que parece, não é isso que pensa a polícia do Rio de Janeiro.

Desde o dia 26 de Julho, um grupo de cidadãos livres está na rua, numa ocupação na frente da casa do Governador do RJ Sérgio Cabral Filho, na Delfim Moreira com a Rainha Guilhermina. Manifestam-se para exigir a sua prisão por aquilo que consideram ser os seus crimes, nomeadamente pelo seu envolvimento no caso da imobiliária Delta. Quem quiser saber todas as motivações do grupo, pode ir à sua página do Facebook.

httpv://www.youtube.com/watch?v=kwHIT8jaCmA

Numa democracia, as pessoas podem concordar ou não umas com as outras. E, numa democracia, os cidadãos e as forças policiais jogam permanentemente a tensão entre direito à expressão livre e o dever de manutenção da ordem pública. Isto são coisas normais. Estive em Londres em Novembro e vi a polícia dispersar uma manifestação do Occupy London na St. Paul's Cathedral. Os protestantes protestaram, a polícia avançou bem devagar, os ânimos aqueceram, mas não houve nenhum confronto. Isto é um jogo, que tem que ser jogado para que uma sociedade seja esclarecida sobre os diferentes pontos de vista quanto ao modo como ela se deve organizar.

Mas as regras do jogo são violadas quando polícias à paisana fotografam os manifestantes e ameaçam um deles dizendo "vocês querem morrer cedo...", que foi o que aconteceu ontem no Rio de Janeiro. E não adianta dizer "no Brasil é assim". Não existe "Brasil assim". Não existe "Portugal" ou "Europa assim". Os direitos estão consagrados e, se não são respeitados, cabe aos seus detentores fazer com que o sejam. As pessoas que estão neste preciso momento à frente da casa do Governador do RJ estão fazendo isso mesmo. Concorde-se ou não com o seu ponto de vista, eles têm o direito de expressá-lo. E, como um movimento de contestação válido não está tendo a cobertura devida pela comunicação social tradicional - o que, me apercebo tristemente, é cada vez mais normal neste país -, é preciso que blogs como este o façam.

Perícia sobre Patrícia

Relato da falecida ex-Paquita Patrícia do programa da XUXA!
A pessoa da foto chama-se Patrícia e, a acreditar pelo meme que tem inundado o Facebook por estes dias, morreu aos 17 anos com 24 quilos devido a paragem cardíaco-respiratória em consequência da AIDS. Isso, pelo menos, é que descreveu a enfermeira Danelise, a quem Patrícia terá ditado uma comovente carta, narrando o caminho de droga e perdição que a levou de patricinha com aspirações a modelo até à morte, começando em chopps e acabando em misturas de cocaína com sangue.

Uma pesquisa rápida mostra que a história de Patrícia corre desde 2003, ano em que a carta terá sido escrita. Algumas passagens dão-me que pensar. É curioso, por exemplo, que a galera que iniciou Patrícia na maconha e no pó tenha vindo logo de São Paulo. Ah, esses paulistas viciosos, espalhando a sua sujeira pelo Brasil...

Outro momento pitoresco é quando ela diz que, num momento de fabulosa decadência, se entretinha a misturar esterco de cavalo com maconha. Maconha já não é uma coisa que haja em qualquer lugar, mas esterco de cavalo? Imagino a dificuldade que seja encontrar esterco de cavalo com boa qualidade na noite de Florianópolis. Se quiserem encontrar os responsáveis pela morte de Patrícia, procurem nas cavalariças de lá. Mas ainda bem que não foi a galera de São Paulo a fazer a mistura. Afinal, fazer uma viagem de SP até Santa Catarina com uma mochila cheia de maconha e merda deve ser muito desconfortável.

Uma leitura mais atenta mostra que há coisas que não batem certo neste texto. O site Quatro Cantos aponta algumas, incluindo uma bem curiosa:
Cronologia dos fatos supondo que a mensagem tenha sido ditada em 2003, ano em que ela começou a circular:

2003 Patrícia morreu aos 17 anos.
1997 Patrícia descobriu que estava com AIDS.
1994 Patrícia foi à Oktoberfest, bebeu chopp e provou a maconha.

Notou alguma coisa estranha nessas datas?

Se ela morreu aos 17 anos - em 2003 -, então no ano de 1994, quando ela foi à Oktoberfest, ela teria 8 anos de idade. Se a morte dela ocorreu em 2002, então ela teria ido à tal festa aos 9 anos de idade.

Por mais liberais e desapegados que fossem os pais dela, é pouco provável que a tivessem liberado, aos 8 ou 9 anos de idade, para ir, com uma turma de amigos, à famosa festa.




Outra coisa que não bate certo é que a suposta foto de Patrícia pré-desgraça seja a foto de perfil no Facebook de uma tal Anke Grunwald. Segundo o mesmo perfil, Anke gosta de ProMedia TV POS Entertainment GmbH & Co.KG e de DRIVZ.de. Nenhuma menção a coca com sangue.

É sempre possível que Anke Grunwald tenha copiado a foto da defunta Patrícia e esteja roubando a personalidade dela. Se for assim, Anke Grunwald é uma pessoa má e pérfida que nunca deve ser admitida a entrar em Florianópolis. Mas eu não acredito que isso seja verdade. Acredito que a história é um embuste fabricado por quem não tinha mais para fazer. E até pode ser que tivesse bons motivos. Uma história de droga próxima, que levou a escrever um texto sensacionalista que servisse de alerta. E vai haver sempre quem diga que, apesar de o texto ser falso, não nos podemos esquecer de que há pessoas em situações trágicas semelhantes ou piores do que a Patrícia, que nesse preciso momento andam a estragar a vida fumando esterco de cavalo (ou de burro, quando o produto bom está em falta).

Nós ensinamos as crianças a não mentir. E há várias razões para isso. Não é só uma questão de educação ou de impedir que elas se transformem, por exemplo, em maléficos paulistas que vão a Florianópolis converter jovens à droga. A mentira atrasa a sociedade, porque faz com que não saibamos com o que podemos contar. Uma mentira abre a possibilidade de que tudo seja falso. E pode ser assim mesmo, mas adultos querem-se esclarecidos e conhecedores, não figuras histéricas que gritam "fogo" quando alguém acende um isqueiro e partilham coisas com o mundo que não são mais do que fogachos de medo e obscurantismo.

Seria bom viver num mundo em que se começa no chopp e em poucos anos se acaba a dar na coca até morrer. Num mundo assim, saberíamos com o que podemos contar. Mas o mundo não é assim.

Tom Cruise ladrão, cachimbo de crack e indianos

1. No último Missão Impossível, há uma cena em que o Tom Cruise está a ser perseguido e, sem parar, pega um celular da mesa de um café para ligar para a central lá da coisa onde trabalha. No fim, joga o celular fora. A chamada corre bem e ele safa-se, mas fez-me impressão, quando vi o filme e ainda hoje, que ninguém se importe com o cliente de café, que devia ter ido no banheiro e, descansado, esperava ter o seu celular em cima da mesa do mesmo jeito que o tinha deixado. O fato de ele ser agente especial e mais não sei o quê não dá a Tom Cruise o direito de andar para aí a roubar coisas. Mais atenção da próxima vez.

2. O crack é a droga mais barata e destruidora que existe. Ela tem que ser fumada em cachimbadas, normalmente improvisadas em tubos de plásticos. Mas no outro dia, quando passei na esquina da Nothmann com a São João, onde o ex-pessoal da Cracolândia encontrou um pousio mais ou menos tranquilo, vi um rapaz, bem novo e ainda não muito destruído, com um cachimbo a sério, fornalha de madeira e piteira de metal. Um gourmet do crack, que parece quase tão absurdo como dizer "degustador de fumos industriais", mas é assim mesmo. Em terra de crack, quem tem um cachimbo é rei?

3. Só há dois restaurantes indianos em São Paulo e, sempre que me dá vontade de um camarão korma, só me lembro daquele em Lisboa na Graça (não esse; o outro, em frente ao Pingo Doce), onde havia cerveja Cobra fresquinha, um nan incrível e uma bebinca deliciosa. Quero comer chamuças sem ter que lhes chamar "samossas". Quero comer um caril sem ter que lhe chamar "curry". Se aqui há senegaleses a venderem bijuterias, porque não pode haver indianos a venderem comida?

Noturno


1
O castelinho da rua Apa é um dos edifícios mais conhecidos de São Paulo, e não pelas melhores razões. Só me apercebi que morava perto dele quando tinha aqui o Salvador e fiquei à espera dele na esquina para irmos não sei já bem para onde. Enquanto esperava, percebi que tinha uma construção bastante invulgar à frente. Grande, com torres e ameias, tapada por redes e com ar de negligência prolongada. Nenhum movimento. Apesar de a região ter muitos sem-abrigo, principalmente depois de terem esvaziado a Cracolândia, não parecia que alguém lá se abrigasse à noite. Fiquei intrigado: o que seria aquele castelo com ar medieval no meio da urbaníssima São Paulo? O Guia do Desconhecido diz-nos porque ele se encontra desocupado e com fama de mal assombrado há mais de 70 anos:
Uma história de glamour e sangue abalou a aristocracia paulistana na noite de 12 de maio de 1937. Três membros de uma das mais abastadas e tradicionais famílias foram encontrados mortos em circunstâncias misteriosas.
O cenário do crime: o interior de um castelinho localizado na Rua Apa com a Avenida São João no centro de São Paulo. O imóvel é uma réplica de um castelo medieval, projetado e construído por arquitetos franceses no século passado.
No distante dia 12 de maio de 1937, o empresário Álvaro César dos Reis, 45 anos, supostamente assassinou a tiros sua mãe, Maria Cândida Guimarães dos Reis, 73, e também o irmão, Armando César dos Reis, 42, suicidando em seguida (estranhamente o fazendo com dois disparos). O motivo do assim chamado "Crime do Castelinho da Rua Apa", que aconteceu nesse castelo onde a velha mãe morava, até hoje não foi inteiramente esclarecido.


2
Era normal em Monção que os morcegos aparecessem no fim do Verão. Antes de a escola recomeçar, eles ficavam a dar voltas por cima das vinhas que formavam um chão frágil entre os dois terraços da minha casa e onde os gatos gostavam de descansar, pequenos montes de pêlo quietos de preguiça. Eu, que ainda vinha com a pele jovem curtida do sol de Vila Praia de Âncora, saía ao terraço para aproveitar as últimas noites quentes e livres e ficava a vê-los voar, tentando perceber como seriam as caras, imaginando a textura das asas. Um dia quis-lhes testar o radar e fui buscar a rede de camaroeiro com que passara um mês tentando catar gambas dos charcos nas rochas da praia. Levantei-a o mais que pude, mas nenhum morcego foi ingénuo o suficiente para se deixar apanhar. O círculo que voavam era mais importante e nunca desciam o suficiente para chegarem até mim. Acho que foi por causa disso que nunca tive medo que se me prendessem no cabelo.

3
É noite e o morcego sai do castelinho da Rua Apa. Vejo-o da janela da minha casa, descrevendo círculos intermináveis em volta da árvore que está mesmo em frente. Pode ficar assim durante meia hora, reentrar e só voltar a sair dali a pouco. É grande. As asas abertas devem ter o comprimento de um dos braços. Não lhe consigo ver a cara, só a forma escura rondando a noite, voando por cima dos sem-abrigo que, com medo de cruzar os muros do castelo, se deixam ficar deitados em colchões improvisados e com cheiro a merda por baixo do Minhocão. De repente, ele bate as asas e quebra o círculo. Começa a voar por cima do viaduto para longe, uma linha direta, sem fim, interminável, pelo meio dos edifícios de São Paulo. Nunca mais o vejo.

Sobre o Bloco do Eu Sozinho de Los Hermanos

Pensamentos e observações enquanto ouvia um disco completo de Los Hermanos pela primeira vez. Para a escuta, tinha as músicas e as letras e nada mais. Portanto, se aqui houver incorreções por falta de informação, considerem que não pretendo fazer uma crítica, mas tão só registar uma experiência. Mais explicações aqui.

COISAS PRÉVIAS
"Bloco do Eu Sozinho" é um título interessante e bem revelador daquilo que imagino que a banda queira dizer: à alegria e multidão associadas aos blocos de Carnaval contrapõem a introspeção, o sentimento, o pensamento. O diabinho dentro de mim espeta a forca e pede-me para lhes chamar maricas e chorões, mas não me vou deixar render já aos pensamentos maliciosos.

(começo a tocar o disco)

Todo Carnaval Tem Seu Fim
Considerando o título do disco, faz todo o sentido que se comece com esta canção. Um trompete interessante, que lembra algo dos Beatles. Por momentos parece algo perdido, mas suponho que conquista o seu espaço no final.
Há uma coisa que sempre notei nalguma música brasileira: usa muitas palavras, fazendo fácil falar muito sem dizer nada. Versos como "Todo dia o dia não quer raiar o sol do dia" ou "Toda rosa é rosa porque assim ela é chamada" não me fazem mudar de opinião. E alguém me explica porque é que, para esta gente, brincar de ser feliz significa pintar o nariz? Estranho.
O que é isto que oiço no final? Parece o concerto de Aranjuez. Um momento para respirar. Vamos ver o que segue.

A Flor
Uma típica canção de dor de corno pop rock. Los Hermanos parecem ser ao mesmo tempo melancólicos no sentimento e de uma fúria contida no som, mas acho que isso empobrece mais do que enriquece. Marcelo Camelo é como um narciso que prefere curtir a doçura da própria dor e se perde dentro dela. Assim a coisa nem fica realmente triste nem realmente furiosa.

Retrato para Iaiá
Um começo meio ska e lá vem o rapaz dizer como se enganou com a tal mulher e o catano. O refrão chega, o rapaz grita e as guitarras ficam mais lentas e poderosas. A secção de metais é muito interessante. Olha isto aqui a meio, parece um oboé flutuante. E a bateria, tem uns breaks interessantes, bem independente e solta.

Assim Será
Os metais dão um início do caraças. É o melhor que ouvi até agora. Ficaria a ouvir esta secção horas e horas, dispensava o resto... não, espera, que lá vem o rapaz outra vez dizer que está triste. Ele vai-se embora porque sabe que a mulher de quem ele gosta vai ser mais feliz sem ele. Será que é porque ela já não o aguenta ouvir dizer coisas como "seu fel fenecerá em nome de nós dois"? Como eu a entendo. Uma guitarra que lembra bons momentos de Ornatos Violeta, uma percussão samba e um final em que o baixo e a guitarra se enrolam numa dancinha latin jazz bem agradável até uma batida seca na tarola prenunciar...

Casa Pré-Fabricada
...o início duro de Casa Pré-Fabricada. Viva Weezer. Pelo menos o rapazola já diz "tristeza nunca mais", apesar de o seu "pranto" valer "esse canto em solidão". Ora sim. Um break acelerado da bateria é logo cortado para entrarmos noutro verso, e repete-se o refrão. Esta gente tem vergonha de se soltar? Vamos lá, rapazes, mostrem lá do que são capazes.

Cadê Teu Suín?
Que bela secção de metais, pá. Parece que Beirut ouviu isto para fazer lá o álbum mexicano dele. A última sílaba de cada verso é cortada para colar com a do seguinte, num exercício formal muito interessante. A flauta saltita lá atrás durante o refrão, o arranjo é fabuloso. Apesar de o título só me fazer pensar nos porcos que o meu avô tinha, é até agora a canção que me conquistou e que claramente ouviria de novo. O cantor começa a divertir-se no final, enrolando-se com os sopros. Bom, muito bom.

Sentimental
Não poderia ter outro nome: um início lento, em que os instrumentos se vão encontrando uns aos outros e a si mesmos. Quase pós-rock, mas logo faz a sua concessão ao rock fm, com as guitarras a rasgar no refrão. Pessoal, o Manu Chao já tinha gasto o estoque de vozes tipo rádio no meio de canções e de um jeito bem mais inventivo. Como é? Assim fica aquém, ok?
Bem, o rapaz já deixou bem claro que não vai ser neste álbum que ele se vai alegrar. Aliás, rir para ele é só fingimento e ocultação da tristeza. Está no seu direito e já bons artistas se fizeram assim, antes e depois de Los Hermanos (Bon Iver vem logo à cabeça). Mas se queres ser triste sê mesmo, porra, chora e faz-nos chorar as pedras da calçada em vez de andares para aí nesse ganha-força-perde-força, nessas explosõezinhas bestas de raiva ocasional. Chora ou enfurece-te, meu, escolhe.
Este final, em que os instrumentos ganham saliência de novo, sombrio e problemático, é interessante.

Cher Antoine
Bonito e engraçado, este mix de chanson française. E olha a guitarra elétrica disco! Ahahahah. Pedaços soltos por cima de uma toada uniforme . Sentido de humor, que era algo que ainda não se tinha ouvido muito. O gajo diz "e confundir", e vem uma explosão quase Queen! E pura loucura disco no final, com slapzões no baixo e tudo! Sim, senhor, curti.

Deixa Estar
Ambiente interessante. Parece que estamos no circo, bem no meio do picadeiro. Então porque é que o homem continua a falar do amor e de estarmos juntos na distância e na discrepância do destino? Porra, que chato. Se estamos no circo, fala de elefantes. Ou, pelo menos, de amor a elefantes. A banda é definitivamente bem calibrada, mas o Marcelo Camelo é monótono em temas e imagens líricas e registo vocal. Alguém o devia avisar que os colegas dele conseguem tocar várias canções, para ele não ficar a cantar a mesma do início ao fim.

Mais Uma Canção
Tuba? Uma tuba?! Estou fascinado. Nada a dizer, uma bela e simples canção pop, sem que o Camelo se perca dentro dele mesmo e caia lá nas viagens líricas dele. E tem até um pífaro, tipo Fool on the Hill, mas ainda mais näif, a transportar para um coro de homens bêbedos que cantam à desgarrada. Só apetece agarrar um amigo e cantar também. É isto o que a música deve fazer.

(pausa para um cigarrinho, já volto, ok?)

Fingi na Hora Rir
Uuuuuuh, entramos no domínio do noturno e da guitarra a fazer barulho. Mas espera aí um coche, que o Camelo tem que dizer outra vez que a alegria para ele é só fingida, porque houve uma mulher que o fodeu e em quem ele não consegue deixar de pensar. Parece a história de um amigo meu, mas isso são outros assuntos.
Olha como ele suspende, se ouve um acorde solto de piano, ele diz mais alguma coisa e as guitarras arrebentam. Banda definitivamente muuuuito bem afinada, melhor do que o motor de um Rolls Royce. Final em crescendo, raiva, fúria. Talvez seja por também já não aturarem o vocalista.

Veja Bem, Meu Bem
Bom. Um tango eletrificado, mas se eles começarem a rasgar no refrão, eu juro que arranco os fones da cabe… não, não rasgaram. Ainda bem. Só uma guitarra mais forte a meio, que combina com a confissão "a solidão deixa o coração neste leva-e-traz". Belo momento lírico, que condensa tudo o que o homem esteve a dizer até agora e com um toque de ironia que só lhe fica bem. Um grande remate, "Se eu te troquei não foi por maldade… amor, veja bem, arranjei alguém chamado saudade", a banda rasga - agora, sim -, mas para um solo de trompete e não para um gritinho pseudo-dolorido do cantor. Novo refrão, nova tranquilizada, novo solo de trompete, o resto dos metais a juntar-se. Belíssima canção.

Tão Sozinho
Eh lá! Viva o punk! Bora, pessoal. Mas, calma aí, vão devagar. Pensam que o Camelo é o Rodolfo Abrantes? O homem ainda se vai cagar todo, pá! Olha ele aqui a tentar gritar. Ahahahahah. Muito engraçado. Até há um gajo a rir-se no final. Deve ter pensado o mesmo que eu. Ou então o Camelo mordeu a língua e ficou louco por provar sangue pela primeira vez.

Adeus Você
Tipo, é a última canção e chama-se Adeus, topam? Golpe de gênio! Concentra tudo o que o disco mostrou: banda ótima, vocal monótono, letras sobressentimentalizadas, metais do outro mundo. Aliás, pá, quem fez os arranjos disto? Quero esta secção de metais todos os dias a entrar no meu quarto de manhã para me acordar! Que coisa fabulosa. E um cheirinho, um cheirinho só de violinos meio dissonantes no fim, só para mostrar que ouviram os Beatles todos e curtem esta mistura entre música erudita e popular. Nada mau.

CONCLUSÕES
Los Hermanos são uma banda pop-rock. E, admito, são uma boa banda pop-rock. Não boazinha - boa mesmo. "Bloco do Eu Sozinho" é uma espécie de triste celebração da solidão depois de uma relação fracassada. Relação-alegria-Carnaval vs. solidão-tristeza-fim parecem ser as linhas de tensão que estruturam a coisa. É eclético, variado, com músicos alinhadíssimos e a procurarem soluções imaginativas. Pelo menos neste disco, têm uma secção de metais incrível e arranjos francamente geniais, que a momentos me lembraram muito a Mesa, de Sérgio Godinho. Porém, isso não chega para me distrair do fato de que a banda parece sempre tocar mais do que aquilo que canta. A unidade das letras, o conceito, se quisermos considerar assim, é conseguido, mas não sem muita repetição, floreado e batidas na mesma tecla. Uma tecla que se chama "sentimento" e "narcisismo". Isto não é uma crítica ao tom em si mesmo, mas à falta de variação com que ele foi apresentado. Ouvi Bloco do Eu Sozinho com gosto apesar do vocal, e não também por ele, como deveria ter sido. Depois deste disco, iria ver um show de Los Hermanos? Iria. Esta banda, estes metais, estes arranjos merecem uma visita. Ainda não estou apaixonado, é verdade, mas já aceitaria ir jantar lá a casa e ver o que rola.

Os Los Hermanos baterem-me


Há uns tempos, sonhei com um novo projeto artístico. Seria um grupo de hip hop, que só faz versões da banda Los Hermanos. Chamar-se-á Os Manos.

Quem me conhece sabe que eu não tenho grande apreço por Los Hermanos e por isso é que faço piadas sobre eles. Nem é o caso de ter ficado mal impressionado com o êxito de "Ana Júlia". A verdade é que para mim a banda carioca faz parte de um grupo de gente talentosa com uma visão artística que me irrita. Aparecem-me no mesmo saco de Miranda July, a quem só me apetece dar um murro na cara e dizer que não há uma beleza trágica em tudo no mundo.

É como alguém que achamos bonito, mas com quem não queremos mais do que amizade. O que ouvi não me apaixonou, mas também não posso dizer que conheça a obra da banda bem o suficiente para me conseguir defender. Por isso, em nome da justiça, decidi submeter-me a uma experiência. Vou ouvir o "Bloco do Eu Sozinho"; álbum de 2001, do início ao final, registar tudo o que estiver a pensar e postar aqui amanhã. Assim pelo menos poderei dizer que o meu juízo é fundamentado. Ou, pelo menos, terei um link para enviar.

Roberto Freire e a ignomínia


Roberto Freire é um político de carreira, que já foi candidato à Presidência da República em 1989 e que em 1992 fundou o Partido Popular Socialista, de Terceira Via e opositor dos governos do PT. Hoje ele leu um artigo no site G17, que dizia Dilma pede e Banco Central coloca em circulação notas com a frase "Lula seja louvado" e, sem saber que o site publica notícias satíricas, ele postou isso no seu Twitter, classificando a ação de "ignomínia".

Até aí tudo bem. Por muito que nos custe acreditar que políticos também podem cometer erros, a verdade é que os fazem de vez em quando. Agora, o que não se entende é a insistente amargura que sai dos tweets posteriores de Freire. Apesar de décadas de vida pública, ele parece empenhado em responder a toda e qualquer provocação de todo e qualquer tweetador, bloqueando seguidores, "insistindo para poder responder aos que pertencem ao mundo digital" e pedindo desculpas porque, segundo ele, "nos tempos imorais lulodilmistas tudo é possivel".

Entre isto e o caso da Carolina Dieckmann, há por aí alguma síndrome esta semana que impede as pessoas de perceberem a real importância do que fizeram, cagarem de alto e deixarem os cães ladrar enquanto a caravana passa? É impressão minha ou anda tudo muito preocupado com aquilo que os fait-divers da vida fazem os outros pensar?

As fotos íntimas de Carolina Dieckmann


A atriz Carolina Dieckmann apareceu nua em fotos que supostamente foram tiradas com o seu celular. Golpe de marketing ou não, não consigo deixar de pensar: porque é que achamos isto interessante? Reparem, isto não é uma crítica, é mesmo uma pergunta. Nós já vimos Dieckmann nua, ela já fez fotos sem roupa, não é nem por sombras a pessoa mais coberta do mundo. Então: mais do que o que diz sobre ela que se divirta a tirar fotos sem roupa, o que diz sobre nós que queiramos tanto ver e falar sobre isto?

Eu acho que diz que já acreditamos em muito pouca coisa. Nós somos pessoas, temos impulsos e um deles é gostar de ver gente boa sem roupa. Mas há no meio disto tudo uma espécie de cheiro a desespero. Nada do que vemos na tv, no cinema, na Internet ou nas revistas é verídico. Tudo é fabricado, até os corpos. E nós sabemos disso. É por isso que corremos para o Google depois de sabermos que estas fotos existem. Não tanto para ver Carolina nua, mas para perceber que uma pessoa de um universo que nos está sempre a querer vender tipos de beleza e de comportamento e de consumo, que nos está sempre a dizer "estas pessoas são melhores do que tu porque são ricas, compram estas marcas, fazem estas coisas caras e são bonitas e educadas, e tu vais acreditar porque nós dizemos", é igual a nós. Carolina Dieckmann é o que menos importa no meio disto tudo. A verdade é que, sem estes escapes no meio da farsa das imagens, não poderíamos continuar a participar dela e sentirmo-nos humanos ao mesmo tempo.

O dia e a noite

Pouco a pouco, vou sendo mais deste lugar do que do outro que era. Sempre foi assim, mas nunca me deixa de surpreender a rapidez. Nem uma semana passou e já conheço as padarias, os cafés, os mercados. Também já conversei com um nóia dos que circulam errantes pela São João. Chamava-se Eduardo, devia ter vinte e poucos anos. As compras estavam a cair-me da mão, porque tinha caixas a mais, e ofereceu-me ajuda. Perguntei-lhe se me ajudava a levar as panelas até casa e ele veio. No meio da brisa lá me disse que o tentaram matar enquanto estava a dormir. Pode ser verdade. Havia uma moda de deitar fogo aos gajos da rua, deitar-lhes querosene em cima enquanto dormiam ou estavam chapados e acender uma faísca para os ver morrer. Na primeira noite que passei aqui, havia vários a dormir por baixo do Minhocão. Sossegados, sem fazer mal a ninguém, só a dormir. Devem ter vindo para aqui depois de a Polícia limpar a Cracolândia ou do incêndio da favela do Moinho. Acredito que um fato não estará desligado do outro, mas isso é o que eu acho. No Minhocão que os abriga, tenho visto passar à noite dois gajos. Parecem-me sempre os mesmos. Presumo que vendam droga, ou pelo menos a andem a procurar. Eles podem fazer isso porque o Minhocão fecha aos carros todas as noites às 22h e só reabre às 6h. No domingo, está fechado o dia todo e enche-se de famílias, corredores, ciclistas, que vêm curtir o sol do fim de semana como se estivessem no Ibirapuera, mesmo que não haja árvores. Hoje vi uns cinco ciclistas que juntaram o dia à noite e se sentaram de lado a fumar um. Quando acabaram, não podiam com as bicicletas. Lembrei-me do Eduardo. Quando chegamos à porta do meu prédio e ele me passou as panelas, dei-lhe os 4 reais que tinha no bolso e disse-lhe para ir comer alguma coisa. Ele sorriu.

O marechal

O militar Manuel Deodoro da Fonseca foi o primeiro presidente da república do Brasil. Amigo do Imperador e com fortes ideias monarquistas, os republicanos só o conseguiram convencer a entrar na revolução fazendo correr o boato de que teria sido emitida uma ordem de prisão contra ele. Sofria de dispneia, que o impedia de dormir. Morreu pouco menos de um ano depois de terminar o seu conturbado mandato de dois anos. O seu desejo de ser enterrado em trajes civis não foi respeitado. Deu nome a várias praças e cidades por todo o Brasil. E, a partir de hoje, eu sou o mais recente morador da Praça com o seu nome.

O que parece que está acontecendo no Pinheirinho...

...é a consequência de um entendimento entre poder e dinheiro para impor os interesses da especulação imobiliária sobre os da população.

O art. 6º da Constituição da República Federativa do Brasil reconhece o direito à moradia como um direito fundamental. Deixemos isso ficar na mente. Em 2006, o Movimento dos Trabalhadores sem Terra ocupou um terreno desocupado pertencente a um grupo empresarial. O curioso é que esse terreno, após o assassinato de antigos proprietários sem herdeiros em 1969, foi bem vago e, como tal, passou para as mãos do Estado. E, ainda assim, acabou misteriosamente incorporado pelo grupo de Naji Nahas, que, aparentemente, deve 15 milhões de reais em impostos à Prefeitura de São José dos Campos. E agora o Estado age para desocupar terra em nome da propriedade privada sem que se saiba bem como ela deixou de ser pública.

Agora vejam este vídeo.
httpv://www.youtube.com/watch?v=H8pPOYHmkCc
Como diz o site Maria Frô, observe com atenção o casal com o carrinho de bebê por volta de 2:40; homens pedindo para a polícia parar de atirar que na rota dos tiros tinha idosos, cadeirantes por volta de 4:40; aos 5:40 mulher e criança tentando passar no meio de tiros; as expressões de terror e indignação da família por volta dos 6:03.. Leiam também a reportagem do Blog do Tsavkko para uma perspectiva in loco do que aconteceu no Pinheirinho.

Independentemente de a ação policial estar apoiada numa decisão de tribunal - suspensa pela Justiça Federal e reafirmada sem base jurídica por um juiz estadual -, o que vemos aqui não é uma simples operação de desocupação. Entrar com helicópteros e balas de borracha e atirar indiscriminadamente em pessoas cujo único crime é morar na sua casa, sem acautelar a segurança de crianças, inválidos e idosos, é um ato injustificado e desmedido. A lógica de "no Brasil é assim" já teve o seu tempo. Nenhuma Polícia, em nenhum país do mundo, tem legitimidade para se virar contra a população que jura proteger. Qualquer ordem superior que a oriente nesse sentido é inconstitucional e, como tal, nula.

Enquanto ventos tristes sopram em São José dos Campos, é bom lembrar Adoniran Barbosa. E também que o art. 6º da Constituição da República Federativa do Brasil reconhece o direito à moradia como um direito fundamental.
httpv://www.youtube.com/watch?v=0NCvDg6E3JQ

Explicação ao Brasil da lista da Vice Portugal

A Popload republicou uma lista da Vice Portugal. Para desvanecer as dúvidas sobre os artistas portugueses que lá aparecem:

B Fachada: bem mais novo do que Marcelo Camelo e bem menos fashion. Mais um Devendra Banhart, se Devendra Banhart tivesse influência de música tradicional portuguesa e pop-rock tuga dos anos 80.
httpv://www.youtube.com/watch?v=Ld2hDc5R9iQ&feature=related

Fausto Bordalo Dias: um dos gigantes da música nacional, veio na onda de cantautores de esquerda ligados à revolução democrática nos anos 70. Autor de "Por este rio acima", um dos álbuns mais importantes de sempre em PT. Pode ser considerado um Caetano, mas, como esteve muito tempo desaparecido, será mais um Tom Zé, menos alegre e menos louco.
httpv://www.youtube.com/watch?v=vPxBNVs0s6E

Norberto Lobo e Filho da Mãe: os dois novos expoentes do violão em Portugal. Com a influência clássica da guitarra portuguesa de Carlos Paredes, mas já com trejeitos de jazz e rock - ao contrário da geração anterior -, fazem música melancólica, muito, muito portuguesa e muito, muito bela.
httpv://www.youtube.com/watch?v=XL6r9E7dR1c&feature=related
httpv://www.youtube.com/watch?v=O3J0OHNHOEw

Paus: a banda rock que está acontecendo em Portugal. Têm um toque eletropunk, um tanto de pós-rock e, mais uma vez, bastante de rock português dos anos 80. Estive em Portugal em Outubro e posso dizer que todo mundo lá adora Paus.
httpv://www.youtube.com/watch?v=SMwbye9H84Q