Os cães

Devia ter uns 16 anos e voltava para casa à noite. Não sei porquê, decidi fazer um caminho alternativo e subir por uma ruazinha em vez de seguir na estrada principal. A meio da subida, vi uma matilha. Os donos dos cães deixavam-nos soltos à noite e eles juntavam-se para matar umas galinhas, comer lixo e foder. Os cães viram-me também, e eu soube que, se voltasse para trás, eles correriam atrás de mim. Então, segui em frente. Começaram a latir muito, mas eu não olhei para eles. Fixei um ponto no fim da rua e, de cabeça erguida, continuei, caminhando normalmente. Quando atravessei no meio deles, os cães enlouqueceram e eu senti medo, mas não parei, não corri e não desviei o olhar. O barulho era ensurdecedor e dois atiraram-se a mim de boca aberta. Senti os dentes deles na pele do meu braço, mas eles não fecharam a mandíbula, não me morderam. A volúpia deles era a de me assustar e o atrevimento acabava aí. Saí do outro lado da matilha, e os cães pararam de latir. Quando dobrei a curva, olhei para trás, temendo que me perseguissem. Não o fizeram. Nessa noite aprendi uma lição e sei exatamente qual.

Dilma andou de bicicleta na calçada


Dilma não é uma presidente competente. Ou melhor, não é uma política competente. Ela sabe resistir, mas não é ágil. Foi reeleita por um triz, não soube lidar com um Congresso adverso, não conseguiu impor políticas, perdeu eleitores, autoridade e voz.

Nada disso é base para um impeachment.

Estamos acostumados a ouvir falar em impeachment de políticos quando eles cometem abusos latentes de poder, como sonegação de dados, corrupção, apropriação indevida de bens públicos. As chamadas "pedaladas fiscais" de Dilma, por muito que sejam expedientes irregulares para lidar com um desequilíbrio nas contas públicas - do qual, diga-se, ela é responsável -, parecem uma desculpa esfarrapada para a oposição derrubar um partido que está há 14 anos no poder. É um pouco como se a presidenta fosse pega andando de bicicleta na calçada e castigada com uns meses de prisão. A pena não combina com a violação, e quem contesta o impeachment percebe isso muito bem.

Chamar o impeachment de golpe é exagerado. O processo está a seguir como deve, com o STF dando chicotadas regulares ao Congresso. Mas o mérito dele é, sim, errado. A oposição recorreu a ele como se fosse mais uma arma do arsenal, e não a bomba atômica que ele realmente é, o que revela também que ela é tão incompetente fazendo política quanto a presidente.

Ninguém sai bem deste processo. Ele é a prova de que os políticos brasileiros vivem numa redoma, jogando o seu jogo sem pensar em quem os elegeu e, até, no futuro do próprio jogo. O precedente aberto vai paralisar os próximos presidentes, temerosos de que qualquer ato de gestão possa vir a ser interpretado como uma irregularidade e castigado por um Congresso recheado de deputados calculistas e mais preocupados com o que podem ganhar do que com o futuro do país. A menos que o sistema político brasileiro seja reformulado de cima a baixo, isso vai irremediavelmente acontecer.

E há uma outra questão, mais imediata, a pensar: o dia seguinte. Pouco depois de eu ter chegado ao Brasil, Tiririca foi eleito deputado, e lembro-me da enorme polêmica que se criou sobre se um palhaço mereceria ser deputado. E os suspeitos de corrupção, Temer e Cunha - eles merecem ser presidentes? Onde está essa polêmica então?