Todos os Cus

1972. Tom Zé faz o disco Todos os Olhos. A capa, numa afronta direta contra a censura da ditadura, destaca uma fotografia do que seria um cu com um berlinde enfiado lá dentro, simulando um olho, uma ideia que fora dada a Tom Zé pelo concretista Décio Pignatari.


Hoje. O bafafá é que Chico Andrade, então sócio do Décio Pignatari, postou no seu blog a seguinte foto como prova de que a capa era mesmo de um cu, e não de uma boca aludindo a um cu.


Mas agora olhem bem as duas imagens. Não há uma diferença óbvia entre as anatomias fotografadas? Afinal, qualquer pessoa com o mínimo de experiência do mundo sabe que boca e cu são bem diferentes. E isso não significa que a foto que Chico Andrade postou não seja original. Na verdade, só é um elemento a mais suportando a história já contada no site Substantivo Plural pela jornalista Phydia de Athayde:
No quartinho mal-arrumado do motel, Vera, empolgada, deita-se de costas na lateral da cama. No chão, as bolinhas de gude. Reinaldo posiciona os abajures na diagonal, de modo que a luz incida diretamente sobre o alvo. A lente é uma de 50 mm colocada no avesso para fazer a função de macro, e fica a apenas 20 centímetros do corpo da garota, já quase de cabeça para baixo.
Começam os problemas técnicos. A bolinha não pára. Cai, rola costas abaixo. Tentam-se novas posições. E mais outras. Nada da bolinha estacionar. (...)
A bizarra cena transformou-se em mal-estar. Quando beirava o insuportável, uma das bolinhas parou quieta. Reinaldo descarregou cliques. Consumiu todos os filmes. Testou velocidades, posições da luz, enfim. Fez-se de tudo, menos sexo. Deixaram para trás um quarto cheio de bolinhas pelo chão, sem coragem de se olhar nos olhos.
No dia seguinte, Reinaldo leva o resultado para a apreciação na agência:
- Foi uma atitude poética. Como foto, algumas ficaram ótimas. Mas, mesmo nas melhores, era evidente do que se tratava.
Décio e Marcão, o diretor de arte da agência, ficam desolados. Décio, então, pede nova tentativa ao assistente. E lá vai Reinaldo falar de novo com Vera sobre Tropicalismo… Desta vez, nada de motel. Vão à casa de uma amiga. E, antes que repetissem a luta contra a obviedade fisiológica, uma nova idéia.
Vera tem a boca grossa. Lábios cheios de carne bem rósea. Vale tentar. Ela topa. Prefere. Senta-se no chão com a cabeça jogada na cama e faz biquinho. Uma bolinha é colocada e dali não sai. Os lábios contraídos formam frisos que em muito se parecem com o que devem parecer. Uma única série de cliques basta para, finalmente, realizar a idéia de Pignatari.

Undone

[vimeo 9843182 w=500 h=281]
Já não sei se foi do Story ou das conferências, mas lembro-me de Robert McKee dizer algo como "não liguem se as pessoas dizem que não querem ver um filme triste porque, segundo elas, já têm problemas suficientes na vida real. Quem diz isso normalmente não tem problemas nenhuns e só lhe falta experiência de vida para saber lidar com esses sentimentos". É possível que tenha posto mais de mim do que do McKee na citação. Seja como for, aplica-se totalmente aqui. Undone é um filme pungente, inspirado no avô da diretora e a ser visto por qualquer pessoa que conheça a doença de Alzheimer de perto.
(via Brainpickings))

"Desafio da Beleza" - hoje, 20h, no GNT


Estreia hoje, daqui a uma hora, o meu primeiro crédito na televisão brasileira. É o reality show de maquiagem Desafio da Beleza. Não vou responder aqui ao que me tem perguntado várias vezes: "o que é que roteirista de reality faz?!". Pretendo escrever um artigo para a próxima revista da APAD falando sobre isso mesmo. Também não vou explicar aqui como é que se esfuma um côncavo (e, não, não vou escrever sobre isso para a revista da APAD - terão de ver o programa para descobrir). O que posso dizer é que, juntamente com os meus colegas Edson Fukuda e Fabio Farias, e com toda a equipa de produção da Moonshot, criamos um formato que, como a Folha de São Paulo diz num artigo de hoje, "brinca com o próprio estigma de reality shows". E isso resume bem o que se verá a partir de hoje. Cada episódio foi pensado com uma pequena surpresa, seja do formato narrativo ou do conteúdo, e o mais entusiasmante foi como todas as pessoas da equipa de produção "piraram" um pouquinho, sempre o necessário para fazer, mais do que um reality, um belíssimo programa de televisão. Estou muito contente com o resultado e espero que vocês também gostem.

Sobre a RTP2


O Governo português anunciou que a RTP2 vai fechar. Ao contrário do que seria de esperar, a notícia não me surpreende nem me revolta. Não me surpreende, porque a decisão foi tomada por quem aparentemente acha espetacular tirar cursos por correspondência e, perante a avalanche de ditames financeiros impostos por Bruxelas, tem que cortar gastos por tudo o que é lugar. E não me revolta, porque o mercado audiovisual abriu-se, alternativas existem e outras vão surgir. Talvez algumas de qualidade.

Mas.

É preciso saber o que vai ser esse caderno de encargos que o governo vai passar ao privado que ficar com a RTP e principalmente definir o perfil desse privado. A linha de conteúdo continuará a mesma? Ou vai aparecer um canal como a TV Cultura brasileira, que é "mantida pela Fundação Padre Anchieta, uma fundação sem fins lucrativos que recebe recursos públicos, através do governo do estado de São Paulo, e privados, através de propagandas, apoios culturais e doações de grandes corporações" e tem uma programação bem cumpridora do que deve ser o serviço público?

Acabar com a RTP2 significa acabar com um canal, não com a sua linha de programação. O mistério não é o que vai acontecer com ela. É o que vai acontecer com a RTP1.

Tudo é iluminado? O cara**o. Tudo é bem escuro.

1. Hoje, 13h30. O rapaz que traz o almoço aqui entregou-me um pequeno flyer do candidato a vereador que ele apoia. Eu disse que não votava no Brasil. Ele não é chato, não insistiu. Perguntou à recepcionista da produtora se já tinha candidato. Ela disse que já tinha e ele guardou o flyer sem reclamar. Eu perguntei-lhe porque é que ele apoia esse candidato. Ele respondeu "porque o caminho dele... é o meu. O caminho de Cristo".

2. Ontem à noite, lendo o Público no Kindle antes de dormir. Do artigo sobre o apoio dos músicos portugueses às Pussy Riot, ficou-me na memória este depoimento:
Frágil, vocalista da banda punk Motornoise, acha que Portugal é “um país de manifestações no Facebook”. Lembra-se de “ver os milhares de pessoas que se juntaram para uma manifestação [‘Geração à rasca’], toda a gente ficou muito encantada com aquilo e a seguir mais nada”. “As pessoas não saem, não protestam, o Facebook para o português não podia calhar melhor”, conclui.


3. 27 de Julho de 2012. Um rapaz comum de 21 anos chamado Brett Cohen espeta uma partida monumental em Nova Iorque. Veste-se ao estilo ex-vencedor-do-american-idol e passeia-se pela baixa. Uns amigos fingem ser guarda-costas, entourage e fotógrafos, completando o disfarce. Os transeuntes caem que nem patinhos. As câmeras e os celulares disparam, as pessoas lembram os filmes em que o viram, as adolescentes gritam, um homem declara que adorou o seu último single. E Brett ficou calado enquanto deixava tudo acontecer à sua volta.
httpv://youtu.be/XYU1a0lTTTw

4. Julho de 1961. Inspirado pelo julgamento de Adolf Eichmann (o mesmo que levou Hannah Arendt ao conceito da banalidade do mal), Stanley Milgram começa uma experiência em Yale para avaliar até que ponto é que, perante uma figura de autoridade, alguém pode praticar atos contrários à sua consciência moral. Os testados tinham que dar choques elétricos de intensidade crescente a um sujeito, caso ele não conseguisse responder corretamente a uma série de perguntas. Era tudo mentira, mas os testados não sabiam. Se, incomodados pelos gritos de dor do ator, eles quisessem parar o teste, o investigador que os acompanhava diria só as seguintes frases nesta ordem:
- Por favor, continue.

- A experiência requer que você continue.

- É absolutamente essencial que você continue.

- Não há outra opção, você tem que continuar.
A experiência seria interrompida se ainda assim o testado ainda quisesse parar. Se isso não acontecesse, só terminaria depois de ele dar 3 choques de intensidade máxima, 450 volts. Os testados não eram indiferentes à suposta dor do sujeito: eles "suavam, tremiam, gaguejavam, mordiam os lábios, gemiam, cavavam as unhas na pele, e alguns até tiveram ataques de riso nervosos ou convulsões". Mas, contra todas as expectativas de Milgram, 65% deles chegaram à carga máxima.

Não sei bem como, mas eu sei que estas coisas estão ligadas. Eu sei, eu sei, eu sei, eu sei, eu sei.

Buracos

olho do cu

O Guia VICE Para Ser Gay diz
"Não sei de onde veio essa reputação de que os gays são frescos e maricas. Colocar seu pênis num buraco macio e rechonchudo autolubrificante que cheira a camomila é coisa de fresco e maricas. Levar uma piroca de 22 centímetros num buraco feito pra cagar não.".
Pouco depois, aparece-me a seguinte notícia:
Governo assume "buraco" de três mil milhões na receita fiscal
O Governo reviu em baixa a previsão da receita fiscal para 2012 em cerca de três mil milhões de euros - um pouco mais de 1,8% do PIB. É este o novo número que será apresentado à troika que regressa a Lisboa na próxima semana, escreve o Diário Económico. Contactado pelo Negócios, o Ministerio das Finanças diz que não comenta.
O Guia Vice fala dos buracos que são comidos. O Jornal de Negócios fala do buraco que nos come. Cada um escolha o seu.

Rio de Janeiro, agora

Quando a constituição de um país democrático reconhece ser "livre a manifestação do pensamento", ele inclui nesse direito não ter que receber ameaças de morte por parte de polícias à paisana, certo? Ao que parece, não é isso que pensa a polícia do Rio de Janeiro.

Desde o dia 26 de Julho, um grupo de cidadãos livres está na rua, numa ocupação na frente da casa do Governador do RJ Sérgio Cabral Filho, na Delfim Moreira com a Rainha Guilhermina. Manifestam-se para exigir a sua prisão por aquilo que consideram ser os seus crimes, nomeadamente pelo seu envolvimento no caso da imobiliária Delta. Quem quiser saber todas as motivações do grupo, pode ir à sua página do Facebook.

httpv://www.youtube.com/watch?v=kwHIT8jaCmA

Numa democracia, as pessoas podem concordar ou não umas com as outras. E, numa democracia, os cidadãos e as forças policiais jogam permanentemente a tensão entre direito à expressão livre e o dever de manutenção da ordem pública. Isto são coisas normais. Estive em Londres em Novembro e vi a polícia dispersar uma manifestação do Occupy London na St. Paul's Cathedral. Os protestantes protestaram, a polícia avançou bem devagar, os ânimos aqueceram, mas não houve nenhum confronto. Isto é um jogo, que tem que ser jogado para que uma sociedade seja esclarecida sobre os diferentes pontos de vista quanto ao modo como ela se deve organizar.

Mas as regras do jogo são violadas quando polícias à paisana fotografam os manifestantes e ameaçam um deles dizendo "vocês querem morrer cedo...", que foi o que aconteceu ontem no Rio de Janeiro. E não adianta dizer "no Brasil é assim". Não existe "Brasil assim". Não existe "Portugal" ou "Europa assim". Os direitos estão consagrados e, se não são respeitados, cabe aos seus detentores fazer com que o sejam. As pessoas que estão neste preciso momento à frente da casa do Governador do RJ estão fazendo isso mesmo. Concorde-se ou não com o seu ponto de vista, eles têm o direito de expressá-lo. E, como um movimento de contestação válido não está tendo a cobertura devida pela comunicação social tradicional - o que, me apercebo tristemente, é cada vez mais normal neste país -, é preciso que blogs como este o façam.